Dia 17, no domingo passado o Fantástico apresentou uma matéria com uma denúncia muito grave. Os repórteres Glaucius Oliveira, Giovani Grizotti e Raphael Sibilla trouxeram para o público a realidade das corridas de cachorros.
De acordo com a história, as corridas de cães começaram cerca de 1776, com o surgimento de um clube esportivo na cidade de Norfolk na Inglaterra.
Os cães utilizados para esta prática são da raça galgos. são ágeis, velozes e caçadores. Muitos países já proibiram essa atividade, pois os cães submetidos a maus tratos, tratamentos nem sempre legalizados para aumentar sua performance, e não raramente são abandonados após não atingirem as metas desejadas.
A ganancia não tem limite, e os maus tratos são visíveis.
No sul do Brasil ainda permanece esta prática cruel e o pior há relatos de utilização de verba pública.
Bagé. Santana do Livramento, Guaraí e Acegua são exemplos de cidades onde ocorrem as corridas.
O presidente da Associação de Galgueiros não deu entrevista, mas em rede social disse que os cães correrem não configura maus tratos, e justificou que as apostas que subsidiam a criação da raça.
A prefeitura de Bagé soltou uma nota afirmando que a pista foi construída em 2012 com recursos do governo federal. Algumas ONGs do Brasil e também da Argentina resgatam os galgos, e depois são colocados para adoção. Infelizmente muitos não sobrevivem.
Mais um caso para se pensar e principalmente agir. Parabéns a equipe do Fantástico que teve coragem para denunciar tamanha crueldade. Vamos nos unir e tentar acabar definitivamente com este absurdo.
Ana Bittar
Jornalista MTB: 0084520/SP
Contatos: portalpetnews@gmail.com
Instagram: @portalpetnews

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui